sexta-feira, 28 de maio de 2010

Síndrome de Parsonage-Turner

A síndrome de Parsonage-Turner, também conhecida como neuralgia amiotrófica da cintura escapular ou neurite braquial(1,2), é uma neurite aguda que afeta o plexo braquial e/ou nervos isolados ou ramo de nervos. A sua etiologia é desconhecida, todavia, considera-se que um mecanismo inflamatório mediado imunologicamente contra as fibras nervosas do plexo braquial seja o responsável(3). Alguns autores associam sua origem a infecções causadas por vírus, havendo relatos secundários a viroses por Parvovírus B19(4-7), vírus de Esptein-Barr(8), herpes vírus(9), citomegalovírus(10, 11) e também pelo vírus HIV(12, 13).
A primeira descrição desta entidade deu-se em 1897 por Feinberg(14), seguida por diversos outros relatos de caso, com destaque para Spillane(15), e por fim por Parsonage e Turner(1) os quais descreveram brilhantemente a síndrome que leva seus nomes.
Clinicamente apresenta-se na maioria dos casos como um episódio de dor intensa aguda acompanhada na evolução por fraqueza muscular, atrofia ou ambos além de envolvimento sensorial, sobretudo da musculatura do ombro(16, 17). O prognóstico, em sua maioria, é favorável. No período de um ano ocorre a recuperação de aproximadamente 1/3 dos pacientes e em três anos os dados aproximam-se dos 90%. Em dois anos o risco de incapacidade funcional é da ordem de 20% e a chance de recorrência da síndrome chega a até 5%(18).
A sua prevalência aproxima-se de 1,6:100 mil habitantes(19), com predomínio de acometimento entre a terceira e sétimas décadas de vida e com destaque de acometimento no sexo masculino numa proporção variável entre 2:1 até 11:1(2, 3, 16, 20).
Em decorrência de existirem somente dois relatos de caso na literatura mundial(12,13), considerando-se como fonte de pesquisa o Medline/Pubmed, e por se tratar de uma condição extremamente incomum, provavelmente a primeira constatada no Brasil, e de difícil reconhecimento na prática clínica diária, descrevemos um caso de síndrome de Parsonage-Turner associada à soropositividade por HIV.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário